terça-feira, 19 de abril de 2016

Nau Catrineta - Almeida Garret




Lá vem a Nau Catrineta
Que tem muito que contar!
Ouvide agora, senhores,
Uma história de pasmar.
 
Passava mais de ano e dia
Que iam na volta do mar,
Já não tinham que comer,
Já não tinham que manjar.
 
Deitaram sola de molho
Para o outro dia jantar;
Mas a sola era tão rija,
Que a não puderam tragar.
 
Deitaram sortes à ventura
Qual se havia de matar;
Logo foi cair a sorte
No capitão general.
 
— "Sobe, sobe, marujinho,
Àquele mastro real,
Vê se vês terras de Espanha,
As praias de Portugal!"
 
— "Não vejo terras de Espanha,
Nem prais de Portugal;
Vejo sete espadas nuas
Que estão para te matar."
 
— "Acima, acima, gageiro,
Acima ao tope real!
Olha se enxergas Espanha,
Areias de Portugal!"
 
— "Alvíssaras, capitão,
Meu capitão general!
Já vejo terras de Espanha,
Areias de Portugal!
Mais enxergo três meninas,
Debaixo de um laranjal:
Uma sentada a coser,
Outra na roca a fiar,
A mais formosa de todas
Está no meio a chorar."
 
— "Todas três são minhas filhas,
Oh! quem mas dera abraçar!
A mais formosa de todas
Contigo a hei-de casar."
 
— "A vossa filha não quero,
Que vos custou a criar."
 
— "Dar-te-ei tanto dinheiro
Que o não possas contar."
 
— "Não quero o vosso dinheiro
Pois vos custou a ganhar."
 
— "Dou-te o meu cavalo branco,
Que nunca houve outro igual."
 
— "Guardai o vosso cavalo,
Que vos custou a ensinar."
 
— "Dar-te-ei a Nau Catrineta,
Para nela navegar."
 
— "Não quero a Nau Catrineta,
Que a não sei governar."
 
— "Que queres tu, meu gageiro,
Que alvíssaras te hei-de dar?"
 
— "Capitão, quero a tua alma,
Para comigo a levar!"
 
— "Renego de ti, demónio,
Que me estavas a tentar!
A minha alma é só de Deus;
O corpo dou eu ao mar."
 
Tomou-o um anjo nos braços,
Não no deixou afogar.
Deu um estouro o demónio,
Acalmaram vento e mar;
 
E à noite a Nau Catrineta
Estava em terra a vara

Almeida Garret



5 comentários:

  1. Nos leve a bons portos ou nos traga bons ventos ,maravilhoso ,muitos beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Maria
    A Nau Catrineta de Almeida Garret, é sempre agradável de ler. Tem sempre um bom lugar na literatura, como eu a vejo,
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Gostei de reler, não me recordava, gosto de ler Almeida Garret.

    Um beijinho Maria

    ResponderEliminar
  4. Este poema recorda-me sempre os tempos de escola! :-)
    xx

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.