quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Tivesses tu nascido uma flor - Poema de Augusto Branco




Tivesses tu nascido uma flor
Serias, sim, como as flores do campo.
Tivesses tu nascido uma flor
Os jardins seriam mais belos!

Como uma canção de amor,
pelo ar, a fluir,
a Alegria não teria sorriso tão lindo assim:
o sorriso mais simples
e o mais encantador!

Tivesses tu nascido uma flor
- não é nenhum exagero -
Tivesses tu nascido uma flor
o mundo teria muito mais cores!

Por que tudo em você inspira poesia
e a própria Poesia se inspiraria em você
E a vida inteira seria o mais doce sonho
se tivesses tu nascido uma flor...

Tivesses tu nascido uma flor
Serias tu o próprio Encanto
Serias mais que tudo que há de belo...
Por que, minha querida, tudo em você é incrível!

Tivesses tu nascido uma flor
serias, sim, como as flores do campo:
As mais humildes,
as mais inebriantes,
e as mais belas!
- E serias, ainda, a flor mais linda do mundo!



Augusto Branco


terça-feira, 17 de outubro de 2017

HONG KONG - Chi Lin Nunnery




Na nossa viagem a Macau fomos também passar um dia a Hong Kong (ver o resumo do dia AQUI). Já mostrei a nossa visita a Ten Thousand Buddhas Monastery e hoje vou mostrar o nosso passeio ao Chi Lin Nunnery, um grande complexo de templos budistas fundado em 1934 e localizado em Diamond Hill, Kowloon.





No meio de blocos de apartamentos de grande altura e com um cenário de montanha o convento ocupa um espaço de 30.000 metros quadrados oferecendo um retiro tranquilo ao ambiente urbano. O complexo inclui um convento, salões, templos e jardins chineses.




Está organizado em torno de três pátios, dos quais apenas dois estão abertos ao público. Entra-se para o primeiro pátio, através do Shanmen (a "primeira porta" ou "portão de montanha").





O pátio de entrada contém os Jardins paisagísticos de lotus, com quatro grandes lagos, estátuas, rochedos e vários tipos de árvores incluindo árvores bonsai em vasos. 








O Convento Chi Lin foi fundado em 1934, mas foi substancialmente reconstruido num grande projecto envolvendo designers, arquitectos e artesãos tradicionais da China, Hong Kong e Japão, antes de ser aberto ao público em Maio de 2000. Os edifícios atuais são construções de madeira, construídos sem a utilização de quaisquer pregos ou ferro. Esta construção é baseada nas tradicionais técnicas arquitetónicas chinesas que datam da dinastia Tang, usando sistemas de junções especiais cortadas na própria madeira e cavilhas para manter as estruturas de madeira em conjunto e foram apenas utilizados materiais naturais, como argila, pedra e madeira.




Ao longo do pátio existem corredores com colunas e  na extremidade oposta da entrada está o Salão dos Reis Celestiais, lá dentro está a estátua do Buda Maitreya sentado no seu altar e cercado por imagens dos Reis Celestiais. É espetacular mas não é permitido tirar fotografias no interior do Salão.






O segundo pátio (interno) é cercado por cinco salões e tem passagens cobertas em ambos os lados. No lado direito do pátio estão o Ksitigarbha Hall e Hall de Bhaisajyaguru. O Ksitigarbha Hall abriga a estátua do Bodhisattva Ksitigarbha e, no piso superior, o Campanário. O Salão do Bhaisajyaguru, contém a estátua do "Buda medicinal" que contém uma tigela de medicina e flanqueada pelos bodhisattvas de Suryaprabha e Candraprabha (luz solar e luar). À esquerda do pátio estão o Jai Lan Hall e Hall de Avalokitesvara. O Jai Lan Hall (também conhecido como Drum Tower) contém a estátua do Bodhisattva Jai Lin, o "guardião corajoso, vigilante e diligente" dos ensinamentos do Buda. O Salão de Avalokitesvara abriga a estátua de Kwun Yam, a deusa da misericórdia.









Saímos do Chi Lin Nunnery e fomos visitar o jardim que fica em frente, isso ficará para  próximo post.






Fotos: Pessoais
Texto explicativo: Wikipedia; http://www.hongkongextras.com/_chi_lin_nunnery.html


Solidão




Cai chuva, chora.
Chora, chora.
Solidão, solidão!

Já não canta o pássaro.
Calou-se a voz, a alegre, a rara.
A que se ouvia solitária.
Cai chuva.

Não sou freira e estou num convento.
A paz, o silêncio, a chuva, os claustros...
Ser freira!

O sequestro, cantar, rezar.
Cai chuva, rude e sem dor.
Tu não choras.
Sou eu que choro.

Que é do pássaro, como cantava?
Voltou, voltou. Pia!
Bendito pássaro, onde estás?
Acompanha-me, já não chove.
Solidão, melancolia.


Irene Lisboa, in 'Outono Havias de Vir'




segunda-feira, 16 de outubro de 2017

JARDIM ZOOLÓGICO de LISBOA




Como habitualmente em stembro lá fomos nós fazer mais uma visitinha ao Jardim Zoológico de Lisboa.
Aqui ficam hoje alguns "cliques"do nosso passeio.






Níala





Aves de todas as cores










Camelo



 Órix-austral




 Rinoceronte



Suricatas




As elegantes girafas



Ursos pardos - Em dias de calor sabe bem brincar na água




No mundo das cobras






A viagem de teleférico



 




Um "cantinho" que ainda não conhecia.












Mais um passeio maravilhoso!


Fotos: Família Rodrigues