sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Soneto XXXV de William Shakespeare





Não chores mais o erro cometido;
Na fonte, há lodo; a rosa tem espinho;
O sol no eclipse é sol obscurecido;
Na flor também o inseto faz seu ninho;

Erram todos, eu mesmo errei já tanto,
Que te sobram razões de compensar
Com essas faltas minhas tudo quanto
Não terás tu somente a resgatar;

Os sentidos traíram-te, e meu senso
De parte adversa é mais teu defensor,
Se contra mim te excuso, e me convenço

Na batalha do ódio com o amor:
Vítima e cúmplice do criminoso,
Dou-me ao ladrão amado e amoroso.

William Shakespeare



17 comentários:

  1. Não conhecia.
    Obrigada pela partilha
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. Só mesmo a poesia romântica de Shakespeare para trazer esse belíssimo soneto de perdão por amor, tema hoje tão controverso. Não o conhecia. Belíssimo. Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Acabamos por chorar sempre o erro cometido...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  4. Bom dia querida amiga ,maravilhoso soneto ,desejo-lhe um sábado muito feliz ,beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Sim, é como se costuma dizer no nosso ditado: não vale a pena chorar sobre o leite derramado, não é? Há erros que se cometem e que a melhor solução será tentar remediá-lo. E se não há forma de remediá-lo o melhor é não repetir o mesmo erro.

    Mas eu concordo há erros que doem, e o facto de não poderem ser remediados faz sofrer o autor e as pessoas atingidas.

    Belo poema, o deste autor.

    Bom fim de semana, cara Maria.

    Bj

    Olinda

    ResponderEliminar
  6. Parabéns pela escolha. Soberbo poema!

    Beijo
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. Willian Shakespeare,sempre maravilhoso!
    Lindo Maria Rodrigues.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderEliminar
  8. Grande poeta!!
    Beijinho
    https://asreceitasdamaegalinha.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. Há quem diga que na literatura, depois de Shakespeare, nada foi dito de novo.
    Excelente escolha, Maria, reveladora duma alma sensível e preocupada com o equilíbrio das coisas.

    Um bom FDS :)

    ResponderEliminar
  10. Maria
    Sendo um poema clássico de Shakespeare, de erudição, está tudo dito. Nunca será demais ler e reler.
    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Boa tarde Maria,
    Muito obrigada por ter partilhado este soneto.
    Também não conhecia.
    Muito bem ilustrado.
    Beijinhos e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
  12. No lo habia leido, Maria...Precioso!
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  13. Belíssimo soneto acompanhado de uma imagem deslumbrante!
    Grata pela partilha que espelha sempre o teu bom gosto e
    sensibilidade, querida Maria.
    Um final de semana alto astral para ti!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  14. Belo, mas com uma chave bizarra,
    atendendo à autoria...
    Ótimo final de fim de semana.
    Beijo
    ~~

    ResponderEliminar
  15. Olá minha querida Maria, quanto tempo... Depois desta ausência venho te convidar a participar de uma BG na minha nova casinha, topas? beijos de saudade. Ah! também não conhecia este soneto de Shakespeare. Belissimo e profundo.

    http://sereia-lindalva.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  16. "Aquele(a) que não errou que atire a primeira pedra".
    Quanto à alma todos nós temos "estados de alma" e o meu diz-me que quanto mais sabemos nada sabemos. O homem morre enunca se chega adescobrir verdadeiramente.

    Bom domingo.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.