quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Delphinium



O delphinium é nativo de diversas regiões do hemisfério norte sendo também encontrado em regiões montanhosas da África Tropical. Este género de plantas inclui cerca de 250 espécies. 


Foto: 1zoom.net

Foto: 1zoom.net


São plantas herbáceas, da família das Ranunculáceas. As suas folhas são verdes e muito recortadas. As flores em forma de espigas verticais, são hermafroditas, zigomórficas e dispõem-se em cacho podendo atingir alturas de 1 a 2 m. A sua cor pode ser branca, azul, violeta ou rosa.


Foto: 1zoom.net

Foto: /wallpaperscraft.com

Foto: 1zoom.net

Apreciam exposição ao sol, solos muito permeáveis e férteis, regas regulares, embora resistentes ao frio preferem zonas amenas e multiplicam-se por sementes. É preciso ter em atenção que os delfínios são plantas alcalinas e muito tóxicas.


Foto: /wallpaperscraft.com

Foto: wallpaperscraft.com

Foto: wallpaperscraft.com


Algumas espécies crescem espontaneamente em terrenos incultos, outras são cultivadas como plantas ornamentais. Para manter o seu efeito bonito, é aconselhável ir retirando as flores velhas afim de prolongar a sua floração. 


Foto: 1zoom.net

Foto: 1zoom.net


Fontes e Fotos: Wikipdeia; 1zoom.net; wallpaperscraft.com

terça-feira, 30 de agosto de 2016

New York - Estátua da Liberdade




Fomos visitar a Estátua da Liberdade logo no dia seguinte à nossa chegada a Nova York. Como já falei anteriormente para irmos até à ilha apanha-se um ferrie em Battery Park. Tínhamos comprado ainda em Lisboa, os bilhetes via Net e foi excelente,  assim não tivemos de estar na fila para entrar no barco, pois tínhamos acesso prioritário.





A vista quando o barco saí do Whitehall Terminal é magnífica.




Gradualmente fomo-nos aproximando da Ilha da Liberdade.




A Estátua foi oferecida pela França, como um gesto de amizade para comemorar o centenário da assinatura da Declaração da Independência dos Estados Unidos. Foi inaugurada em 28 de outubro de 1886.






Foi projetada e construída pelo escultor alsaciano Frédéric Auguste Bartholdi (1834-1904), que se baseou no Colosso de Rodes para edificá-la. Para a construção da estrutura metálica interna da estátua, Bartholdi contou com a assistência do engenheiro francês Gustave Eiffel, o mesmo engenheiro da Torre Eiffel.




Uns a chegar e outros a partir. O ferrir parte de Battery Park, vai à Ilha da liberdade, segue depois para a Ellis Island onde se encontra o Museu da Imigração e volta novamente a Battery Park. O barco faz esse trajeto mais ou menos de 30 em 30 minutos e podemos ficar na ilha o tempo que desejarmos.






O nosso primeiro "contato" com este belo e icónico monumento  que simboliza, a liberdade política e democrática. Não é permitido levar mochilas para o interior do monumento, mas há cacifos que se podem alugar para deixar os nossos pertences. A segurança para entrar no barco e na estátua é quase semelhante à existente nos aeroportos.




A Estátua da Liberdade, (nome oficial: A Liberdade Iluminando o Mundo) tem uma altura total 92,9 m, sendo que 46,9 m correspondem à altura da base e 46 m à altura da estátua propriamente dita. O conjunto pesa um total de 24.635 toneladas. Foi construída em França e ficou pronta em 1884, sendo então desmontada e enviada para os Estados Unidos em navios, para ser remontada no seu lugar definitivo. A construção do pedestal que serve como base do monumento ficou a cargo dos norte-americanos.




No salão principal está exposta a tocha original.




Nos só conseguimos bilhetes para o pedestal, para poder  subir até à coroa os bilhetes têm de ser reservados com quase 3 meses de antecedência, quando fomos reservar para o dia que pretendíamos eles já estavam esgotados. A vista que se pode desfrutar do pedestal é absolutamente um espetáculo.










Estava na hora de regressar e seguir para a nossa próxima visita.





Fotos: Família Rodrigues ( António, Pedro e Maria )
Texto explicativo: Wikipedia

Próximo post: Ellis Island


Pensamentos Noturnos - Poema de Johann Goethe




Lastimo-vos, ó estrelas infelizes,
Que sois belas e brilhais tão radiosas,
Guiando de bom grado o marinheiro aflito,
Sem recompensa dos deuses ou dos homens:
Pois não amais, nunca conhecestes o amor!
Continuamente horas eternas levam
As vossas rondas pelo vasto céu.
Que viagem levastes já a cabo!,
Enquanto eu, entre os braços da amada,
De vós me esqueço e da meia-noite.


Johann Wolfgang von Goethe, em "Canções"
Tradução de Paulo Quintela





segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Ainda que Mal - Carlos Drummond de Andrade





Ainda que mal pergunte,
ainda que mal respondas;
ainda que mal te entenda,
ainda que mal repitas;
ainda que mal insista,
ainda que mal desculpes;
ainda que mal me exprima,
ainda que mal me julgues;
ainda que mal me mostre,
ainda que mal me vejas;
ainda que mal te encare,
ainda que mal te furtes;
ainda que mal te siga,
ainda que mal te voltes;
ainda que mal te ame,
ainda que mal o saibas;
ainda que mal te agarre,
ainda que mal te mates;
ainda assim te pergunto
e me queimando em teu seio,
me salvo e me dano: amor.


Carlos Drummond de Andrade



domingo, 28 de agosto de 2016

Viburnum tinus - Folhados




A Viburnum tinus é nativa das regiões do Mediterrâneo. Pertence à família Adoxaceae e é conhecida também pelos nomes comuns de folhado, Laurotino, Milfolhado ou folhado-comum.





É um arbusto chegando raramente ao porte de uma pequena árvore . Tem copa arredondada, folhas perenes que podem persistir de 2 a três anos com bordas inteiras. As inflorescências formam uma densa cimeira com 5 a 10 cm de diâmetro, com numerosas flores cerosas, de cor branca e com os pequenos botões em tons rosa.






Devem ser cultivadas com exposição solar direta, em solo fértil e bem drenável. Pode ser cultivado isolado ou pequenos grupos ou em conjunto com outras espécies de plantas.






Por ser um arbusto sempreverde que floresce no inverno, é largamente utilizado no paisagismo, sendo cultivado extensivamente na Europa ocidental e norte da América do Norte.





Texto explicativo: wikipedia
Fotos:Pessoais