quinta-feira, 23 de março de 2017

Sol de Março





Embriagada de ardor matinal,
tonteia uma borboleta amarela.
Encolhido e com sono, um homem velho
descansa sentado junto à janela.
Entre as folhas da primavera, um dia
de viagem cantando partiu ele:
de uma porção de ruas a poeira
passou voando sobre os seus cabelos.
Naturalmente as árvores em flor
e as borboletas voando amarelas
parecem hoje as mesmas de outros tempos:
como se o tempo não tocasse nelas.
Os perfumes e as cores, entretanto,
tornaram-se mais finos e mais raros:
fez-se mais fria a luz, e o próprio ar
parece mais difícil respirar.
Como abelha a zumbir, a primavera
baixinho entoa os seus graciosos cantos:
a borboleta adeja em amarelo,
e o céu vibra em cristal de azul e branco.

Hermann Hesse,In Andares



quarta-feira, 22 de março de 2017

O PINTOR - Gerhard Nesvadba - Campos Floridos




O artista Gerhard Nesvadba nasceu em 1941 em Darmstadt, Alemanha, perto de Frankfurt / Main. Em 1943, sua família mudou-se para Viena, Áustria, o país que Gerhard continua a viver até hoje.






Em seus anos mais jovens Gerhard estudou para ser um homem de negócios. Após sua formatura, ele entrou para o exército, onde serviu por um ano. Após o serviço militar, Gerhard decidiu seguir uma vida nas artes.






A sua primeira exposição individual foi em Copenhaga, em 1971. É um pintor de sucesso desde logo o inicio da sua carreira, sendo os seus trabalhos apreciados por colecionadores de todo o mundo.






Em 1994, Gerhard e a sua esposa Hermine mudaram-se para Salzburgo, na Áustria. Vivendo assim num local maravilhoso, os Alpes,  retira a sua inspiração das paisgens  ao seu redor.






Para conhecer melhor a obra deste brilhante artista podem visitar o seu site pessoal: “Gerard Nesvaba”







"As grandes obras de arte somente são grandes por serem acessíveis e compreendidas por todos." (Leon Tolstoi)

terça-feira, 21 de março de 2017

Kea - Papagaio-da-nova-zelândia




Hoje vou falar de:

Papagaio-da-nova-zelândia

Ordem: Psittaciformes
Família: Strigopidae


É endémico da Nova Zelância, mede, em média, 48 cm de comprimento e apresenta uma plumagem verde-oliva e tem um bico muito resistente: diz-se que ele é capaz de despedaçar uma chapa de ferro fundido.


Foto: heiwx.com


Como todos os seus parentes, sente-se melhor nas árvores do que no chão e voa bem.


Foto: wallup.net


Alimenta-se principalmente de brotos e folhas tenras e, na primavera, lambe o néctar das flores. Come também os insetos e larvas que encontram no chão e é necrófago, isto é, alimenta-se de carcaça de animais (carneiros).


Foto:ww.birds-wallpapers.com


Ele vive em pequenos bandos e passa o verão nas montanhas. Se o inverno não for muito rigoroso, ele ficará aí o ano todo: é o único papagaio do mundo que pode viver na neve.


Foto: feelgrafix.com


É um animal brincalhão e cheio de curiosidade. O desejo notável do kea de explorar e manipular faz com que este pássaro seja uma praga para os residentes e uma atração para os turistas. Chamado "o palhaço das montanhas", investigará mochilas, botas, esquis, snowboards, e mesmo carros (o mais geralmente as áreas de borracha por exemplo frames de janela), causando frequentemente o dano ou voando fora com artigos menores.


Foto: www.hickerphoto.com


O período reprodutivo principal deles dura de Julho a Janeiro. Eles aninham em covas debaixo de pedras ou entre raízes de árvore. São postos de dois a quatro ovos, que são incubados durante três a quatro semanas. Estes papagaios são altamente sociais, vivem em grupos de família até que eles alcançam a maturidade sexual. Os Machos são sexualmente maduros depois de quatro ou cinco anos, enquanto fêmeas podem se tornar sexualmente maduras já com três anos de idade. O sistema de acasalamento é polígamo. Machos lutam para dominar e a hierarquia é rígida.


Foto: heiwx.com


Texto explicativo: wikipedia
Fotos: Wallpaperxyz.com, heiwx.com, www.birds-wallpapers.com; wallup.net; feelgrafix.com; www.hickerphoto.com

segunda-feira, 20 de março de 2017

Canção Verde - Poema de Pedro Homem de Melo




A minha canção é verde
Sempre de verde a cantei!
De verde cantei ao povo
E fui de verde vestido
Cantar à mesa do Rei!

Porque foi verde o meu canto?
Porque foi verde?
                               -- Não sei...

Verde, verde, verde, verde,
Verde, verde, em vão cantei!
-- Lindo moço! disse o Povo.
-- Verde moço! disse El-rei.

Porque me chamaram verde?
Porque foi? Porquê?
                               -- Não sei...

Tive um amor -- Triste sina!
Amar é perder alguém...
Desde então ficou mais verde
Tudo em mim: a voz, o olhar,
Cada passo, cada beijo...
E o meu coração também!

Coração! porque és tão verde?
Porque és verde assim também?

Deu-me a vida, além do luto,
Amor à margem da lei...
Amigos são inimigos!
-- Paga-me!, gritaram todos.
Só eu de verde fiquei.

Porque fiquei eu de verde?
Porque foi isto?
                              -- Não sei...

A minha canção é verde
-- Canção à margem da lei...
Verde, ingénua, verde e moça,
Como a voz desta canção
Que, por meu mal vos cantei...

A minha canção é verde,
Verde, verde, verde, verde...
Mas... porque é verde?
                                -- Não sei...


Pedro Homem de Melo


domingo, 19 de março de 2017

Feliz DIA do PAI




Para todos os PAIS aqui presentes, para todos os PAIS do mundo e em especial para o PAI António e para o PAI Fábio eu desejo um Dia muito Feliz.



Ter um Pai! É ter na vida
Uma luz por entre escolhos;
É ter dois olhos no mundo
Que vêem pelos nossos olhos!

Ter um Pai! Um coração
Que apenas amor encerra,
É ver Deus, no mundo vil,
É ter os céus cá na terra!

Ter um Pai! Nunca se perde
Aquela santa afeição,
Sempre a mesma, quer o filho
Seja um santo ou um ladrão;

Talvez maior, sendo infame
O filho que é desprezado
Pelo mundo; pois um Pai
Perdoa ao mais desgraçado!

Ter um Pai! Um santo orgulho
Prò coração que lhe quer
Um orgulho que não cabe
Num coração de mulher!

Embora ele seja imenso
Vogando pelo ideal,
O coração que me deste
Ó Pai bondoso é leal!

Ter um Pai! Doce poema
Dum sonho bendito e santo
Nestas letras pequeninas,
Astros dum céu todo encanto!

Ter um Pai! Os órfãozinhos
Não conhecem este amor!
Por mo fazer conhecer,
Bendito seja o Senhor!


Florbela Espanca

PAI é uma estrela que contínua a iluminar o nosso caminho, mesmo quando já não está presente.  

sábado, 18 de março de 2017

Amo o Silêncio - Poema de João Cabral do Nascimento




Amo o silêncio e as vozes que insinuam,
Meigas ciciam, musicais, veladas,
Fracas, serenas, pálidas, cansadas,
Doces palavras que no ar flutuam.

Amo o silêncio e a luz difusa... E amo
A tarde cor de cinza, a chuva calma,
E o mar sem ondas, liso como a palma
Da minha mão aberta... E em cada ramo

Das árvores sem folhas, amo os verdes
Musgos pendentes, flácidos, em tiras...
Assim, minh'alma extática, suspiras,
Meu coração tranquilo, assim te perdes!

Rude fragor do mundo, sombra fria,
Passa de largo! Não me acordes, não!
Deixa correr a fonte da ilusão,
Enche-me a vida de melancolia...



João Cabral do Nascimento

sexta-feira, 17 de março de 2017

Pontes e Arcos - Central Park ( New York )




Da minha visita a Nova York deixo hoje algumas Pontes e Arcos que fotografei em Central Park.


Pine Bank Bridge





Driprock Arch




Playmates Arch




Terrace Bridge - Em frente à Bethesda Fountain,  foi construída entre 1859 e 1863 tendo sido projetada por Calvert Vaux e Jacob Wrey Mould.






Willowdell Arch



Gill Rustic Bridge



Trefoil Arch



Oak Bridge - Construída  entre 1860-1862 por Calvert Vaux





Greyshot Arch



Dipway Arch




Bow Bridge - A ponte foi projetada por Calvert Vaux e Jacob Wrey Mould, foi concluída em 1862. Mede um total de 26,5 m, sendo a maior ponte no parque.








Fotos: Familía Rodrigues ( António, Pedro e Maria )