domingo, 29 de junho de 2014

Pássaro ou Árvore





Há momentos na vida em que somos pássaros.
Queremos voar, mas nossas asas são curtas e não nos permitem chegar além do horizonte.
O que podemos está sempre aquém do que desejamos.

Há momentos na vida em que temos longas asas. Podemos alçar extensos vôos, mas nossos limites são determinados pelo peso das bagagens que a vida nos dá.
São malas que atendem por diversos nomes: Bom senso, juízo, medo.
Há os que se livram de seu peso e conseguem voar muito alto.
Alguns atingem destinos fantásticos; muitos conhecem o sabor do desastre.

Mas há momentos na vida em que deixamos de voar. É quando nos tornamos árvores, quando nos percebemos enraizados a terra, presos no espaço e no tempo.
Não nos damos conta desta mudança, que nos tira as asas e nos empresta galhos e ramos. Apenas descobrimos que somos assim.
Mas quando deixamos de procurar a luz, ou desistimos de cavar em busca de energia, paramos de crescer. Mas não há árvores assim.
As árvores perseguem seu destino, que é crescer e se alimentar.
Assim como há pássaros que só buscam voar.

Saber o momento do vôo ou o instante de se enraizar é a grande sabedoria humana.

Saber viver intensamente o momento de polinizar as flores, ou o momento de deixar ao vento e a chuva que espalhem nossas sementes, eis o destino da vida.

Se você é pássaro, voe em busca de seu sonho.
Se você se descobriu árvore, cresça o mais alto que puder e deixe a terra cuidar de suas sementes.


Texto: Autor desconhecido



sexta-feira, 27 de junho de 2014

Gosto ....



Há coisas tão simples e que me deixam tão bem.  Por vezes os meus sentidos transportam-me suavemente numa onde de tranquilidade. Abre-se o livro das memórias e o cheirar, o sentir o ver ou o ouvir, dependendo do contexto em que acontecem,  podem tornar alguns instantes em momentos muito especiais.

Gosto .... 

De certos cheiros que me transportam tantas vezes ao meu tempo de criança,  um tempo mágico onde tudo parecia tão simples e os sonhos não tinham limites. 

Gosto

Do cheiro da terra molhada logo quando acabou de chover.
Do cheirinho das folhas de eucalipto.
Da fragância fresca e tão agradável da alfazema.


Do inesquecível cheirinho do alecrim.
Do doce aroma das flores de laranjeira.
E do perfume suave que se solta da roupa lavada




Do cheiro intenso do café.
E como é gostoso lembrar o cheirinho do pão que a minha avô cozia no forno a lenha.





 Gosto ... do vento ...

Adoro ouvir o som do vento, principalmente nas folhas das árvores.
Gosto de sentir a sua brisa na cara
De ver os cortinados a flutuar suavemente



Gosto ... do mar ...

De ouvir à noite o som das ondas a bater na praia
De passear à beira-mar no final do dia quando as gaivotas chegam para descansar
De deixar o meu olhar se perder na imensidão de um mar azul que lá longe parece tocar o céu.


Gosto ... de admirar a Natureza ...

Do verde da primavera ou dos tons castanhos do outono.
De ver um campo coberto de flores
De ver e ouvir passáros cantando e dançando livremente no ar.





São estes alguns dos meus gostos, são estas algumas das pequenas, grandes coisas que apaziguam os meus medos e incertezas, que conseguem quebrar um pouco o meu stress, que aliviam suavemente a minha alma.



quarta-feira, 25 de junho de 2014

Humildade versus Orgulho

Você já deve ter ouvido muitas vezes a palavra humildade, não é mesmo?
Essa palavra é muito usada, mas nem todas as pessoas conseguem entender o seu verdadeiro significado.
O termo humildade vem de húmus, palavra de origem latina que quer dizer terra fértil, rica em nutrientes e preparada para receber a semente.
Assim, uma pessoa humilde está sempre disposta a aprender e deixar brotar no solo fértil da sua alma, a boa semente.
A verdadeira humildade é firme, segura, sóbria, e jamais compartilha com a hipocrisia ou com a pieguice.
A humildade é a mais nobre de todas as virtudes pois somente ela predispõe o seu portador, à sabedoria real.
O contrário de humildade é orgulho, porque o orgulhoso nega tudo o que a humildade defende.
O orgulhoso é soberbo, julga-se superior e esconde-se por trás da falsa humildade ou da tola vaidade. 

 Alguns exemplos talvez tornem mais claras as nossas reflexões.
Quando, por exemplo, uma pessoa humilde comete um erro, diz: "eu me equivoquei", pois sua intenção é de aprender, de crescer. Mas quando uma pessoa orgulhosa comete um erro, diz: "não foi minha culpa", porque se acha acima de qualquer suspeita. 
A pessoa humilde trabalha mais que a orgulhosa e por essa razão tem mais tempo.
Uma pessoa orgulhosa está sempre "muito ocupada" para fazer o que é necessário. A pessoa humilde enfrenta qualquer dificuldade e sempre vence os problemas.
A pessoa orgulhosa dá desculpas, mas não dá conta das suas obrigações e pendências. Uma pessoa humilde se compromete e realiza.
Uma pessoa orgulhosa se acha perfeita. A pessoa humilde diz: "eu sou bom, porém não tão bom como eu gostaria de ser". 

 A pessoa humilde respeita aqueles que lhe são superiores e trata de aprender algo com todos. A orgulhosa resiste àqueles que lhe são superiores e trata de pôr-lhes defeitos.
O humilde sempre faz algo mais, além da sua obrigação. O orgulhoso não colabora, e sempre diz: "eu faço o meu trabalho".
Uma pessoa humilde diz: "deve haver uma maneira melhor para fazer isto, e eu vou descobrir". A pessoa orgulhosa afirma: "sempre fiz assim e não vou mudar meu estilo".
A pessoa humilde compartilha suas experiências com colegas e amigos, o orgulhoso as guarda para si mesmo, porque teme a concorrência.
A pessoa orgulhosa não aceita críticas, a humilde está sempre disposta a ouvir todas as opiniões e a reter as melhores. 


Quem é humilde cresce sempre, quem é orgulhoso fica estagnado, iludido na falsa posição de superioridade.
O orgulhoso se diz céptico, por achar que não pode haver nada no universo que ele desconheça, o humilde reverencia ao criador, todos os dias, porque sabe que há muitas verdades que ainda desconhece.
Uma pessoa humilde defende as idéias que julga nobres, sem se importar de quem elas venham. A pessoa orgulhosa defende sempre suas idéias, não porque acredite nelas, mas porque são suas.
Enfim, como se pode perceber, o orgulho é grilhão que impede a evolução das criaturas, a humildade é chave que abre as portas da perfeição. 

Você sabe por quê o mar é tão grande? Tão imenso? Tão poderoso? 



É porque foi humilde o bastante para colocar-se alguns centímetros abaixo de todos os rios.

Sabendo receber, tornou-se grande. Se quisesse ser o primeiro, se quisesse ficar acima de todos os rios, não seria mar, seria uma ilha. E certamente estaria isolado.

Texto do SITE: Momento deReflexão

Eucaristia de 22 Junho




Domingo passado na minha Paróquia, a Eucaristia foi celebrada fora da Igreja. Tinha ido assistir à Missa no sabado à tarde e no domingo de manhã, devido ao muito que tinha para fazer, não deu para eu participar em pleno na celebração, mas deu para ir ouvindo e de vez em quando ir à janela tirar algumas fotografias.


Aqui deixo a minha humilde e pequena "Reportagem Fotográfica" sobre este dia tão especial.













O meu filhote Pedro.















O nosso PADROEIRO, S. João Batista, um profeta que previu o advento do Messias na pessoa de Jesus Cristo e O Batizou. Ontem, dia 24 de junho, como sempre a festa do seu nascimento foi amplamente comemorada em todo o mundo cristão.


"Felizes são os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!" ( S.Lucas 11:28 - Textos bíblicos)

Que a PAZ e HARMONIA reinem sempre no coração de todos nós.

terça-feira, 24 de junho de 2014

♫ A Máquina ♫






Saber o que fazer,
Com isto a acontecer,
Num caso como o meu.
Ter o meu amor,
Para dar e pra vender,
Mas sei que vou ficar,
Por ter o que eu não tenho,
Eu sei que vou ficar.
É de pedir aos céus,
A mim, a ti e a Deus,
Que eu quero ser feliz.

É de pedir aos céus,
Porque este amor é meu,
E cedo vou saber,

Que triste é viver.

 Que sina, ai, que amor,
Já nem vou mais chorar,
Gritar, ligar, voltar,
A máquina parou,
Deixou de tocar.

 Sentir, não mentir,
Amar e querer ficar,
Que pena é ver-te assim,
Já sem saberes de ti.

Rasguei o teu perdão,
Quis ser o que já fui,
Eu não vou mais fugir.

A viagem começou,
Porque este amor é meu
E cedo vou saber,
Que triste é viver.

Que sina, ai, que amor.
Já nem vou mais chorar,
Gritar, ligar, voltar,
A máquina parou,
Deixou de tocar.

É de pedir aos céus,
A mim, a ti e a Deus,
Que eu quero é ser feliz.

É de pedir aos céus.

Porque este amor é teu,
E eu já só vou amar,
Que bom não acabou,
A máquina acordou.

Autor:  Grupo Amor Electo 


domingo, 22 de junho de 2014

O Poema - Sophia de Mello Breyner Andresen


O poema me levará no tempo
Quando eu já não for eu
E passarei sozinha
Entre as mãos de quem lê
O poema alguém o dirá
Às searas
Sua passagem se confundirá
Com o rumor do mar com o passar do vento
O poema habitará
O espaço mais concreto e mais atento
No ar claro nas tardes transparentes
Suas sílabas redondas
(Ó antigas ó longas
Eternas tardes lisas)
Mesmo que eu morra o poema encontrará
Uma praia onde quebrar as suas ondas
E entre quatro paredes densas
De funda e devorada solidão
Alguém seu próprio ser confundirá
Com o poema no tempo


Sophia de Mello Breyner Andresen





VIAGEM A ITÁLIA - PISA



Da minha viagem em abril por Itália já mostrei MILÃO, VERONA, PÁDUA e VENEZA e FLORENÇA a nossa paragem seguinte foi PISA. Situada na região da Toscana, é conhecida por ser o berço de Galileu Galilei e especialmente pela sua famosa Torre inclinada de Pisa.




Entramos na Piazza dei Miracoli através da Porta Nuova inserida nas famosas muralhas que datam do século XII e que cercam praticamente toda a parte histórica da cidade de Pisa. 




Nesta praça encontram-se vários belissímos monumentos religiosos como a Catedral (Duomo), o Baptistério e a Torre Sineira (Campanile), e dispostos ao longo dos seus limites, o Cemitério (Camposanto), o Hospital e o Museu da Catedral (Museo del’Opera del Duomo). O complexo arquitetónico da Piazza dei Miracoli, foi declarado Património da Humanidade pela UNESCO. 




O primeiro monumento que vemos é o Baptistério, era o local específico para a realização do batismo de cristãos. Em mármore branco está rodeado por arcadas colunadas.




Em frente está a Catedral (Duomo), dedicada à Virgem Maria foi construída com o mármore branco das montanhas de S. Giuliano. A sua construção iniciou-se em 1064, sobre a catedral pré-existente datada de 1006.









Logo a seguir à Catedral está a Torre de Pisa, o seu campanário.  A inclinação da Torre começou logo após o início da construção, em 1173, devido ao facto de existir pouca profundidade das fundações e de terem feito a construção sobre terreno arenoso





Em mármore branco, a sua construção foi realizada em três fases ao longo de um período de cerca de 177 anos.Como tinhamos tempo suficiente decidimos subir ao topo da Torre. 


 




Foi dado primeiro uma breve explicação sobre a torre e depois foi começar a subir a sua escada em espiral com cerca 296 degraus. 

Interior da torre



Custou-me um pouco a subida, mas valeu a pena pois a vista sobre a cidade é fantástica.








Tem sete sinos, um para cada nota da escala musical. O maior deles foi instalado em 1655.







Como se costuma dizer "para baixo todos os santos ajudam" e realmente foi bem mais fácil a descida ...




Já estava quase na hora de partir mas ainda se tentou "endireitar" um pouquinho a torre,  mas não conseguimos ....




A nossa próxima visita: SIENA