quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Feliz Ano Novo


PARA TODOS EU DESEJO ....

Que o Novo Ano que começa possa tornar o nosso mundo,
um MUNDO melhor cheio de PAZ,
SAUDE, COMPREENSÃO e MUITO AMOR.
Que DEUS consiga chegar ao corações de TODOS
e que os homens estejam dispostos o ouvir
e seguir o caminho da PAZ.

Que neste ano todas crianças tenham uma vida digna
em que não falte a comida, uma casa e um lar cheio de Amor.
Que os seus pais não necessitem de falar das tristezas de Hoje
mas falem sim dos sonhos de um futuro feliz.

Que neste ano todas as nações se unam,
com um objectivo único, trazer a Paz ao Mundo.

Que neste ano TODOS compreendam finalmente
como é importante e fundamental
Preservar, proteger e amar a NATUREZA.

Que neste ano possamos sonhar,
E acreditar, de coração,
que podemos realizar cada um dos nossos sonhos.

Que neste ano possamos agradecer,
E expressar a Deus o nosso “Muito Obrigado!”,
pelo dom maravilhoso que é a VIDA.

FELIZ ANO NOVO!
HAPPY NEW YEAR!
BONNE ANNÉE!

Desejo que este ano seja um ano de realizações e que TODOS consigam atingir as suas metas. Que 2010 seja um ano de muita paz, saúde e alegria.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Preservar as Florestas é proteger o Futuro




A floresta é parte integrante do nosso ecossistema, tendo uma importância vital para o equilíbrio ambiental e ecológico do nosso planeta. Preservar as florestas é sinônimo de proteger e a garantir a qualidade de vida, é preservar o futuro.




Além da beleza paisagística as florestas constituem habitats únicos para variadíssimas espécies de seres vivos, incluído comunidades humanas.




As florestas ocupam cerca de 30% da área terrestre do nosso planeta e contêm cerca de 70 % do carbono presente nos seres vivos. O desenvolvimento da floresta é um processo que decorre muito lentamente, sendo necessário muito tempo para que se estabeleçam os equilíbrios fundamentais entre as diferentes espécies e o meio físico envolvente.




O acelerado ritmo das actividades humanas e as agressões frequentes aos espaços florestais não são compatíveis com a lenta capacidade de resposta dos ecossistemas florestais, conduzindo à sua progressiva degradação e destruição.




Podemos ajudar a preservar as florestas e matas de muitas formas, porém, a maior contribuição que devemos dar à natureza é estudá-la para compreendê-la, tomarmos consciência de sua importância no equilíbrio ecológico do planeta e socializar esta compreensão com os nossos semelhantes na forma de ensinamentos, de sensibilização e nas atitudes correctas em prol das árvores, dos arbustos, das herbáceas, etc. Devemos aprender e ensinar, enquanto aprendemos, que as plantas são extremamente necessárias à nossa sobrevivência, além de trazerem muitos benefícios para nós, para uma imensa multidão de animais e para o ambiente em geral.



Existe uma variação ambiental gradual no tipo de florestas que existem no nosso planeta, mesmo assim, podemos considerar três tipos principais de floresta, classificados de acordo com a latitude: As florestas tropicais, temperadas e boreais.




Floresta tropical
As florestas tropicais caracterizam-se por possuírem a maior diversidade de espécies. Um quilómetro quadrado pode conter mais de 100 espécies diferentes de árvores. As florestas tropicais são assim denominadas por se localizarem entre os trópicos de Câncer e Capricórnio, sendo encontradas na região amazónica, na América Central, na Indonésia, Austrália e na bacia do rio Congo e em África. A maior floresta tropical húmida do mundo é a Floresta Amazónica.




A sazonalidade nestas florestas consiste em apenas duas estações: a estação húmida e a estação seca e a duração do período de dia e noite varia pouco ao longo do ano, sendo sempre próxima de 12 horas. A temperatura é elevada e também varia pouco ao longo do ano, sendo a diferença entre a temperatura média dos meses mais quentes e dos meses mais frios à volta de 5º C. A precipitação anual é elevada (geralmente superior a 2000 mm) e distribuída equitativamente ao longo do ano. A fauna é muito rica, sendo constituída por inúmeras espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios, etc.




Os solos são, em geral, pobres em nutrientes. A decomposição da matéria orgânica é rápida. Nestas florestas existem várias camadas de copas, existindo um gradiente de espécies em altura. As copas são contínuas, permitindo a penetração de muito pouca luz para o solo.




Floresta temperada
Trata-se de florestas típicas do hemisfério norte, características das zonas temperadas húmidas e abrangem o oeste e centro da Europa, leste da Ásia (Coreia, Japão, e partes da China) e o leste dos Estados Unidos. Situa-se, pois, abaixo da Taiga. Ao contrário das florestas tropicais, que são "sempre verdes", as árvores da floresta temperada perdem as suas folhas no Outono. As temperaturas médias anuais são moderadas, embora a temperatura média vá cariando ao longo do ano. As quatro estações do ano encontram-se bem definidas.
O solo destas florestas é muito rico em nutrientes devido, sobretudo, ao processo natural de decomposição das folhas que vai enriquecendo o solo em nutrientes. A acumulação de matéria orgânica dá-se, sobretudo nos primeiros horizontes do solo, que possuem, por isso, uma cor mais escura.




A vegetação das florestas temperadas é variada, desde as coníferas e árvores com folhas largas caducas, como as das florestas da Europa e da América do Norte, às árvores de folhas largas que se mantêm verdes todo o ano, típicas da Florida e Sul da Nova Zelândia. Há vários tipos de florestas temperadas, mas as árvores de folha caduca são predominantes, embora apresentem também árvores de folha persistente, cujas folhas se encontram transformadas em agulhas.
A vegetação apresenta variações sazonais e o seu crescimento ocorre, sobretudo, na Primavera e no Verão.
Essa florestas apresentam vegetação predominantemente arbórea (carvalhos, bordos, faias, nogueiras) e uma fauna muito rica representada por urso, veados, esquilos, lobos, raposas, lebres, répteis, anfíbios insectos e aves.




Floresta boreal (taiga)
A Taiga, também conhecida como floresta boreal, localiza-se exclusivamente no Hemisfério Norte, encontra-se em regiões de clima frio e com pouca humidade. Dois terços da Taiga estão na Sibéria, estando o resto na Escandinávia, Alasca e Canadá. As estações do ano dividem-se entre um Verão curto, húmido e pouco quente, e um Inverno longo, seco e muito frio. O clima é subártico, com ventos fortes e gelados durante o ano todo.



A floresta boreal é uma mistura de betuláceas e de resinosas. Estas árvores resistem a condições climatéricas difíceis: temperaturas muito baixas, solo gelado durante uma grande parte do ano.
As árvores demonstram a existência de adaptações ao meio. Sendo de folha persistente, conservam, quando a temperatura baixa, a energia necessária à produção de novas folhas e assim que a luz solar aumenta, podem começar de imediato a realizar a fotossíntese.



As folhas possuem formato de agulhas, com cutícula grossa e resistente ao frio. O tronco é recoberto por casca espessa e suberosa, garantindo isolamento contra o frio. As árvores características são coníferas, como pinheiros e abetos. Também estão presentes plantas arbustivas e herbáceas, além de musgos e líquens. A diversidade vegetal é baixa, frequentemente formada por uma ou duas espécies de árvores, em estratos uniformes. A fauna é constituída de alces, ursos pardos, lobos, martas, linces, esquilos, raposas e diversas aves migratórias.



As florestas possuem uma enorme importância, tanto ecológica, como económica e mesmo social.

• Nas florestas está concentrada a maior parte da biodiversidade terrestre, sobretudo nas florestas tropicais.
• Cumprem importantes funções na protecção dos solos contra a erosão, de controlo do ciclo hidrológico e da qualidade da água.
• São uma importante fonte de matérias-primas como madeiras, combustíveis, alimentos e matérias-primas para uma infinidade de produtos e aplicações.
• Funcionam como importante local de lazer, de prática de desporto e turismo.
• São um habitat privilegiado para a realização de acções de educação ambiental.
• Nalguns locais, em particular nas zonas tropicais, as florestas são importantes reguladores do clima.
• Ajudam a contrariar o efeito de estufa e consequentemente o aquecimento global.
• Renovam o ar, produzindo oxigénio e consumindo dióxido de carbono




É cada vez mais essencial uma gestão sustentável das florestas, procurando assegurar que a exploração de recursos e que o uso da floresta não coloque em perigo a sua produtividade futura, tentando manter o equilíbrio do ecossistema.



O que podemos fazer:

-Evitar os incêndios; através limpeza dos terrenos; proibição de fogueiras; ter cuidado com as queimadas; não deitar cigarros mal apagados fora.
-Reflorestação; Plantação de novas árvores depois do corte das velhas, tratar as árvores contra doenças e pragas.
-Fazer uma exploração racional das florestas.Uma floresta demora dezenas e mesmo centenas de anos a formar-se. Quando destruímos uma floresta, estamos a destruir um ecossistema com uma tal biodiversidade, que importa fazer cada vez mais esforços no sentido de a defender como uma valiosa fonte de riqueza natural.


Tão importante quanto a preservação, é o plantio de florestas que permitam resgatar as emissões de carbono, ajudem na preservação dos rios e nascentes e, sobretudo, da própria mata nativa.

Fontes e Fotos: "Wikipedia"; "guiaflorestal"; "planetasustentável"; "www.ibflorestas.org.br/"; fotos pessoais e outros


Respeitar a floresta é preservar o futuro, não devemos esquecer a importância que as florestas possuem nas nossas vidas, assim como as áreas verdes nas nossas cidades, e as consequências que adviriam com a possibilidade do seu desaparecimento.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Ser Feliz



A PARTIR DO PRÓXIMO AMANHECER


Hoje “me dei um tempo” para pensar na vida.
Na minha vida!!!
Decidi então que a partir do próximo amanhecer,
vou mudar alguns detalhes para ser a cada novo
dia, um pouquinho mais feliz.

Para começar, não vou mais olhar
para trás. O que passou é passado,
se errei, agora não vou conseguir corrigir.


Então, para que remoer o que passou?
Refletir sobre aqueles erros sim e então
fazer deles um aprendizado para o “meu hoje”...
Nem todas as pessoas que amo, retribuem meus
carinhos como “eu” gostaria... E daí?



A partir do próximo amanhecer
vou continuar a amá-las, mas não
vou tentar mudá-las
Pode ser até que ficassem como eu
gostaria que fossem e deixassem de
ser as pessoas que eu amo.



Isso eu não quero.
Mudo eu...Mudo meu modo de vê-las.
Respeito seu modo de ser.
Mas não pense que vou desistir de meus sonhos!!!
Imagine!!!
A partir do próximo amanhecer, vou lutar com mais
garra para que eles aconteçam.
Mas vai ser diferente.



Não vou mais responsabilizar
os outros pela minha felicidade.
EU VOU SER FELIZ!!!



Não vou mais parar a minha vida porque
o que desejo não acontece, porque uma
mensagem não chega, porque não ouço
o que gostaria de ouvir.
Vou fazer meu momento...Vou ser feliz agora...
Terei outros dias pela frente!!!
Nunca mais darei muita importância aos problemas
que não tenho conseguido resolver

A partir do próximo amanhecer,
vou agradecer a Deus, todos os dias
por me dar forças para viver,
APESAR dos meus problemas.



Chega de sofrer pelo que não consigo ter,
pelo que não ouço ou não leio.
Pelo tempo que não tenho e até de sofrer
por antecipação, pensando sempre, apenas
no pior.
A partir do próximo amanhecer, só vou
pensar no que tenho de bom.



Meus amigos, nunca mais precisarão me dar
um ombro para chorar. Vou aproveitar a presença
deles para sorrir, cantar, para dividir felicidade.
A partir do próximo amanhecer vou ser eu mesmo.
Nunca mais vou tentar ser um modelo de perfeição.

Nunca mais vou sorrir sem vontade
ou falar palavras amorosas por que
acho que sei o que os outros querem ouvir.


A partir do próximo amanhecer vou viver minha vida, SEM MEDO DE SER FELIZ.
(desconheço o autor)


O choro pode dura uma noite mas a alegria vem pela manhã. Slamo 30:4

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Noite Feliz




Noite Feliz

Noite feliz, noite feliz
Ó senhor, Deus de amor
Pobrezinho nasceu em Belém
Eis na lapa Jesus, nosso bem
Dorme em paz, ó Jesus
Dorme em paz, ó Jesus

Noite feliz, noite feliz
Ó Jesus, deus da luz
Quão afável é teu coração
Que quiseste nascer nosso irmão
E a nós todos salvar
E a nós todos salvar

Noite feliz, noite feliz
Eis que no ar vem cantar
Aos pastores, seus anjos no céu
Anunciando a chegada de Deus
De Jesus salvador
De Jesus salvador




"Eu estarei com vocês até o fim dos tempos."

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal querida FAMILIA

O Natal é Amor, é Luz, é cor e Tradição, sempre adorei o Natal, para mim é a uma altura mágica, desejo que essa Magia consiga chegar a todos os corações e traga a todos Felicidade, Amor e Paz.
Para TODA a FAMILIA e ESPECIALMENTE para o meu marido e filhotes eu desejo um Natal muito, muito Feliz.


Aqui em casa, mal começa o mês de Dezembro os meus filhos querem logo fazer a arvore de natal e o presépio, o Pedro têm como tradição antes de colocarmos as luzes na arvore enfeitar-se com elas, fica todo divertido, cheio de luzinhas a piscar.
As prendinhas são abertas depois do jantar de natal, não dá para esperar pela meia noite, pois os meus pais têm de se deitar cedo, mas não faz mal, pois a alegria do Pedro a distribuir as prendas contagia todo o pessoal. Não importa o valor da prenda o que interessa é o acto de troca, é o facto de nos lembrarmos uns dos outros, é a partilha, é o estarmos juntos.
A outra tradição que faz parte dos nossos costumes é colocar o sapatinho na chaminé na noite de Natal.



Para a Diana e para o Pedro é uma alegria enorme abrir os presentes no dia 25 de manhã, vão os dois à cozinha e trazem os presentes para cima da minha cama, todos abrimos e dá-me um prazer enorme ver os dois tão felizes a abrir os presentinhos, que muitas vezes são bem simples, apenas uma graçinha, mas que têm um valor especial por serem os "presentes do sapatinho".
Como o sonho comanda a vida, este ano como pedido especial para o meu sapatinho, eu pedia a Deus que ajudasse todos a terem uma casa para viver, comida na mesa, roupa para estarem agasalhados do rigor do Inverno, sáude, emprego, alegria, Paz e Amor no coração.
E como pedido especial, gostaria que todas as crianças pudessem ter um presente no seu sapatinho, o presente dos seus sonhos.

Que o calor e luz do Natal consigam iluminar e aquecer todos os lares do Mundo.

"Ainda que se percam outras coisas ao longo dos anos, mantenhamos o Natal como algo brilhante.…. Regressemos a nossa fé infantil." (Grace Noll Crowell)

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Feliz Natal - Para todos os meus AMIGOS "virtuais"





Para os AMIGOS que quase todos os dias me enviam emails com mensagens ou slides que alegram a minha alma…






Para os que se encontram perto e eu posso ver e falar com mais frequência, não tanta como eu gostaria, mas a que é possível tendo em conta o dia-a-dia que se leva, como a Fernanda, a Lena, a Laura, a Regina e a Fátima e para aqueles que estão longe e as circunstâncias da vida obrigam a que o contacto seja mesmo só por email, como é o caso do Luis, do Gusmão e da Lurdes, eu desejo um Feliz Natal e um excelente Ano Novo.



"A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida"

Faço Anos

Hoje, 23 de Dezembro faço 50 anos. Gosto da idade que tenho, ao longo da vida vamos sempre aprendendo e isso é magnífico. Este ano comecei a aprender a navegar na NET, criei o meu Blog e devo confessar que tenho aprendido muito.
Passo horas a pesquisar, a compor, a fazer slides de fotografias para colocar aqui no “meu cantinho”. É o meu passatempo, mas é muito mais do que isso, é uma extraordinária maneira de aliviar o meu stress e de me fazer sentir bem. Quando estou cansada ou enervada pois algo não correu bem, basta pensar em fazer algum artigo e tudo o que me preocupava desaparece, ficando apenas a minha vontade de fazer alguma coisa nova para colocar. É uma companhia, um local onde posso colocar aquilo que gosto, aprecio e considero importante.
"Para alcançar conhecimento, adicione coisas todo dia. Para alcançar sabedoria, elimine coisas todo dia." (Lao Tsé)

A familia é o que tenho de melhor na vida, para os meus queridos um bilião de beijinhos e o meu muito obrigado, por estarem sempre ao meu lado quando preciso.

Perguntaram-me quem sou. Respondi:

Sou noite, sou dia.
Sou terra, sou água.
Sou sol e sou lua.

Sou tristeza, sou alegria,
sou tranquilidade e tormento.
Sou verdade e magia.

Sou matéria e espírito.
Sou o que aqui fica,
sou o que transcende.

Sou vida, sou morte.
A todo o momento
sou puro sentimento.
Sou diferente de toda a gente,
caleidoscópio cristalizado
em mutação permanente,
polissémica criatura
Paradoxo sem explicação.
Sou um ser à busca
da impossível humana perfeição.

Mirna Cavalcanti Pinto da Cunha

"E no final das contas não são os anos em sua vida que contam. É a vida nos seus anos." (Abraham Lincoln)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Lisboa



Lisboa é a minha cidade, para mim é uma das mais bonitas. Moro perto do Parque das Nações uma zona que há uns anos atrás era velha e degradada e que ganhou uma vida e alma nova com a realização da Expo 98. Tornou-se na zona mais moderna de Lisboa, aqui surgiram imensas estruturas, como a Torre São Rafael e Torre São Gabriel, ambas com 110 metros de altura. As principais atrações são: o Oceanário de Lisboa, o Pavilhão Atlântico, o Pavilhão de Portugal, a Torre Vasco da Gama, a Ponte Vasco da Gama e a Gare do Oriente, do arquitecto Santiago Calatrava.


Foto: pessoal

Lisboa ergue-se nas suas 7 colinas sobre o rio Tejo, capital de Portugal desde a sua conquista aos Mouros em 1147 é também a capital do Distrito e da Área Metropolitana de mesmo nome. Lisboa é uma cidade lendária com mais de 20 séculos de história. É a cidade mais ocidental do continente europeu. O Tejo e o Sol, quase sempre presentes, tornam-na num espelho de luz e cor.


São muitos os pontos turístos que Lisboa tem para oferecer a quem a visita, como o Castelo de S. Jorge, de onde se avista Lisboa em toda a sua magnificência, passando pela velha Mouraria, pela Sé Patriarcal, pela Baixa Pombalina, a Basílica da Estrela, a Torre de Belém, construída na época dos Descobrimentos, o Mosteiro dos Jerónimos classificado pela UNESCO como "Património Cultural de toda a Humanidade. É uma cidade fascinante que convida claramente quem a visita a descobrir todos os seus encantos.


Foto: pessoal

A Baixa Pombalina é o "coração" da capital. Foi edificada sobre as ruínas da antiga cidade de Lisboa, destruída pelo grande Terramoto de 1755. Os seus autores foram Manuel da Maia e Eugénio dos Santos e a decisão política deve-se ao Marquês de Pombal, ministro d'El Rei D. José I. A Baixa é também a maior zona comercial da cidade de Lisboa. Nas proximidades e com interesse histórico são ainda a Praça dos Restauradores e o Elevador de Santa Justa, projectado em finais do século XIX por Mesnier du Ponsard. Na baixa localiza-se também a Praça do Comércio (Terreiro do Paço), o Rossio, ou Praça Dom Pedro V, Chiado, o Convento do Carmo e a Praça dos Restauradores.

Foto: pessoal

Em Lisboa diferentes culturas foram-se encontrando e criando laços, ela é palco de inúmeros eventos culturais, nacionais e internacionais. Possuí mais de uma centena de Parques, Jardins e Quintas sendo o Parque Florestal de Monsanto o maior e o mais importante parque da cidade, considerado o seu "Pulmão Verde". Falar de Lisboa é falar de uma cidade vibrante e encantadora.

Foto: pessoal

A visitar:
Dos edifícios pombalinos da Baixa, com fachadas de azulejos, às estreitas ruas medievais dos Bairros típicos de Alfama e do Bairro Alto, onde à noite se pode ouvir o fado e usufruir de um divertida vida nocturna, aos inúmeros museus e lojas, Lisboa é uma cidade com várias opções, vou referir apenas alguns que considero imperdíveis:

Alfama
Alfama é um dos bairros mais típicos de Lisboa, com a sua arquitectura típica cidade árabe e medieval com ruas estreitas, sendo um dos poucos sítios de Lisboa que sobreviveu ao Terremoto de Lisboa de 1755. Dos miradouros das Portas do Sol e de Santa Luzia, a vista é fabulosa. Por cima e envolvendo Alfama ficam a colina do Castelo de São Jorge, fortaleza e palácio real até ao século XVI, e a colina de São Vicente, coroada pela imponente fachada da Igreja de São Vicente de Fora e pela cúpula da Igreja de Santa Engrácia. Para sudeste o vasto mar da Palha (rio Tejo) domina o horizonte, conferindo um carácter marítimo a Alfama. Mais a oeste ficam as torres gémeas da Sé. É em Alfama que se encontram a maioria das casas de Fado, onde se pode desfrutar de vários espectáculos ao vivo, aqui se festeja com fervor e alegria os Santos Populares no mês de Junho, em especial o Santo António.


Bairro Alto
O Bairro Alto é outro dos bairros típicos de Lisboa, situa-se no centro da cidade, acima da baixa pombalina em pleno centro histórico. Aqui é obrigatório visitar a Igreja de S. Roque, no Largo Trindade Coelho, também conhecido por Largo da Santa Casa. A Igreja, de acordo com a tipologia jesuíta apresenta uma fachada sóbria e austera, e um amplo e rico espaço interior, composto por oito capelas, agrupadas quatro a quatro, profusamente decorada a talha dourada e mármore. O plano da Igreja é da autoria do conceituado Arquitecto Filipe Terzi, constituindo o tecto da Igreja o único exemplar em Lisboa que resta dos famosos grandes tectos pintados do período Maneirista, atribuído aos pintores Francisco Venegas e Amaro do Vale. O Bairro Alto é zona de comércio, habitacional e é uma das principais zonas de divertimento nocturno da capital.


O Mosteiro dos Jerónimos é habitualmente apontado como a "jóia" do estilo manuelino. Este estilo exclusivamente português, integra elementos arquitectónicos do gótico final e do renascimento, associando-lhe uma simbologia régia, cristológica e naturalista, que o torna único e digno de admiração. Este monumento, com uma extensa fachada de mais de trezentos metros, obedece a um princípio de horizontalidade que lhe confere uma fisionomia calma e repousante. Em 1907 foi declarado Monumento Nacional e em 1984 foi classificado pela UNESCO como "Património Cultural de toda a Humanidade".



Foto: pessoal

Padrão dos Descobrimentos
Inaugurado em 1960, o edifício actual, em betão e com esculturas em pedra de lioz, é uma réplica do original, construído em materiais perecíveis para a Exposição do Mundo Português, em 1940, pelos arquitectos Cottinelli Telmo e Leopoldo de Almeida. O Padrão possui um auditório e diversas salas para exposições temporárias, e é possível subir ao topo da construção, de onde se obtém uma bela vista do Tejo e do lado ocidental da cidade. No chão fronteiro à entrada, vê-se uma enorme rosa-dos-ventos, em mármores de várias cores, representativa da odisseia dos Descobrimentos. Em frente ao Padrão dos Descobrimentos, fica o edifício do Espelho de Água, também ele construído para a Exposição de 1940, a qual motivou ainda os arranjos do jardim da Praça do Império, em estilo greco-romano, e a construção da Fonte Luminosa que lhe fica no centro.


Foto: pessoal

A Torre de Belém foi construída na época dos Descobrimentos (quando a necessidade de defesa se tornou imperativa) em homenagem ao santo patrono da cidade, S. Vicente. Ficou pronta em 1520 e, como símbolo do prestígio do Rei, apresenta uma decoração que ostenta a simbologia própria do Manuelino – calabres que envolvem o edifício, rematando-o com elegantes nós, esferas armilares, cruzes da Ordem Militar de Cristo e elementos naturalistas. A Torre de Belém é uma referência cultural, foi classificada pela UNESCO como "Património Cultural de toda a Humanidade" em 1983.


Foto: pessoal

Praça do Comércio
De costas voltadas para o Rio Tejo, a praça outrora conhecida por Terreiro do Paço da Ribeira, apresenta-se em quadrado, com um dos lados aberto a Este. Os outros três lados, formados por edifícios de arcadas, terminam junto ao rio. A Norte, situa-se o Arco da Rua Augusta, inspirado no Arco do Triunfo de Paris e no centro da praça ergue-se a estátua equestre de D. José I, rodeada de figuras que representam a vitória da reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755. É na Praça do Comércio que se situa o café mais antigo de Lisboa, o Martinho da Arcada, do qual é indissociável a memória de Fernando Pessoa.


Foto: pessoal

Miradouro do Castelo de S. Jorge
Segundo os testemunhos históricos, este foi o primeiro miradouro natural e situa-se no cabeço de um monte, onde está implantado o Castelo de S. Jorge. Daqui, pode-se desfrutar de uma privilegiada panorâmica sobre a paisagem urbana de Lisboa.

Foto: pessoal

Entre os Museus destacam-se o Museu Nacional de Arte Antiga, com uma das mais importantes colecções de pintura medieval mundiais, o Museu Nacional dos Coches, o Museu Calouste Gulbenkian com uma colecção de seis mil peças de arte antiga e moderna, o Museu da Electricidade com uma exposição onde se mostra a produção de energia e a maquinária da antiga Central Tejo misturando ciência e diversão, e o Oceanário de Lisboa, com a sua impressionante colecção de espécies vivas.

Museu Nacional dos Coches
Considerado um dos melhores do mundo na sua especialidade, o Museu Nacional dos Coches mostra aos visitantes carros da Casa Real Portuguesa e Carruagens de Gala dos séculos XVI a XIX, arreios de cavalaria e de tiro, fardamentos do pessoal da Casa Real, uma colecção de trombetas e retratos a óleo de membros da Família Real Portuguesa.


Foto: wikipedia

Parque Eduardo VII
O Parque Eduardo VII localiza-se no cimo da Avenida da Liberdade e constitui, não só um importante marco da evolução urbana, como também um local de onde se pode ter uma excelente vista panorâmica sobre a cidade. Neste parque encontram-se uma série de atractivos, com especial destaque para o Pavilhão Carlos Lopes, a Estufa Fria, o Clube VII (com campo de ténis, ginásio, piscina e restaurante), sem contar com os atractivos naturais.

Foto: pessoal

Basílica da Estrela
A Basílica da Estrela, é uma igreja do século XVIII, com duas torres sineiras, onde se podem ver pinturas de Batoni e Pedro Alexandrino. A Basílica da Estrela nasceu da devoção de D. Maria I ao culto do Sagrado Coração de Jesus. Em 1760, quando se casou com o Infante D. Pedro, a ainda princesa, fez um voto ao Santíssimo Coração, de lhe erguer uma igreja e convento para as religiosas da Regra de Santa Teresa, se tivesse um filho varão.

Nos arredores da cidade e fazendo parte do Distrito de Lisboa, Sintra merece uma visita por todo o seu ambiente romântico, para o qual contribuíram em muito variados escritores da literatura internacional.

Saliente-se como pontos de interesse:

Este castelo, construído pelos Mouros, situa-se em dois cumes da Serra de Sintra, rodeado por muralhas de diversas torres. Para além de constituir um espectáculo por si mesmo, o Castelo dos Mouros presenteia quem o visita com uma vista panoramica espectacular.


Constituído por vários corpos edificados ao longo de sucessivas épocas, é um dos mais importantes exemplares portugueses de arquitectura relenga e foi, por essa razão, classificado Monumento Nacional. É dominado por duas grandes chaminés geminadas que coroam a cozinha e constituem o "ex-libris" de Sintra.


Este palácio remonta a 1839, altura em que o rei consorte D. Fernando II de Saxo Coburgo-Gotha adquiriu as ruínas do Mosteiro Jerónimo de Nossa Senhora da Pena para o adaptar a um palacete. A arquitectura da Pena, inspirada nos palácios da Baviera, reúne influências mouriscas, góticas e manuelinas.

Foto: pessoal

Cabo da Roca (Sintra)
Este miradouro é conhecido como o ponto mais ocidental da Europa e situa-se no extremo final da Serra de Sintra. É aqui que a zona montanhosa, com 150 metros de altura, acaba para dar lugar ao mar.

Na vila de Sintra, passeiam-se carruagens de cavalos que conduzem os turistas pelas maravilhosas quintas com séculos de histórias.

São de salientar também o Palácio de Queluz, o Convento de Mafra o maior monumento religioso de Portugal, Cascais, Estoril ou ainda Ericeira, entre os vários dos destinos turísticos de eleição desta região.

Convento de Mafra

O que comer
A Região de Lisboa tem um rico património gastronómico. A proximidade da costa, ditam a predominância de peixe fresco e marisco nos pratos da região. É o caso das sardinhas assadas, as amêijoas "à Bulhão Pato", sopas de peixe "à fragateira" e variados pratos à base de bacalhau. Nos pratos de carne o famoso Bife à Café, é um dos "ex.líbris" alimentar da capital. Entre a sortida doçaria, os pastéis de Belém são imperdíveis. Outras especialidades típicas do distrito são os queijos de cabra e de ovelha do Sobral de Monte Agraço e de Azeitão, os folhados da Malveira e o "pão de ló" de Loures, os saborosos doces de noz e ovos de Cascais, as "queijadas" de Sintra; os vinhos de Colares, Bucelas, Setúbal, Carcavelos e o vinho "moscatel" de Setúbal.

Locais possíveis Onde pode Dormir:
Hotel Tivoli Oriente, este fantástico hotel está situado no Parque das Nações, dominando o rio Tejo e toda a zona envolvente, brindando os seus convidados com toda a energia, tecnologia, arte e hospitalidade que caracterizam a capital portuguesa.



Foto: www.distinctiveportugal.com

Hotel Apartamento Suites do Marquês, Av. Duque Loulé , Lisboa
Hotel Dom Pedro Palace, Av. Eng. Duarte Pacheco, Lisboa
Hotel Marquês de Pombal , Avenida da Liberdade, Lisboa
Hotel Tivoli Lisboa Avenida da Liberdade, Lisboa
Albergaria As Janelas Verdes, Rua das Janelas Verdes, LISBOA
Pousada de Juventude de Lisboa - Parque das Nações
Parque de Campismo Municipal de Lisboa, Estrada da Circunvalação

Lisboa e o fado
Afinam-se as guitarras. A luz baixa. «Silêncio, que se vai cantar o fado!». É assim que as noites começam em Lisboa. Foi nos bairros históricos da Mouraria, Alfama, Bairro Alto e Madragoa, que nasceu o fado. Ligado à fatalidade do destino, à noite e ao desencontro, foi partilhado por fidalgos, vadios e marinheiros, cantado de forma sofrida e intensa. Também se cantou na versão mais alegre, a falar de conquistas, dos amores e das vivências de cada bairro que José Malhoa, o pintor do Fado tão bem imortalizou nas suas telas.
Perto da Madragoa pode-se conhecer a Casa onde Amália viveu, hoje um museu. Foi a mais carismática das fadistas. Com grande presença em cena e natural noção do espectáculo, levou o Fado além fronteiras e a ela devemos a imagem do clássico vestido preto com xaile.

A não perder é uma ida a um Restaurante ou Casa de Fado. Sempre com decoração a condizer, são os melhores locais para o ouvir. Com uma atmosfera muito particular, passar uma noite à luz das velas ao som desta melodia é uma experiência única e inesquecível.

Foto: www.lisboanoguiness.com

Festas e Romarias
A cidade de Lisboa festeja o seu santo padroeiro, todos os anos, durante o mês de Junho. A Noite de Santo António, como é popularmente designada, é a festa que começa logo na noite do dia 12. O seu culto está associado a ritos de fertilidade daí ser tradição os jovens queimarem alcachofras para saber do futuro dos seus amores e pedirem a sua protecção. Dada a fama de santo protector contra todos os males e também a de ser casamenteiro, os poderes públicos instituíram, a partir dos anos 50, a tradição das Noivas de Santo António. Mas, o auge das Festas de Santo António são as Marchas Populares, que representam os diversos bairros lisboetas. Este acontecimento leva milhares de espectadores á Avenida da Liberdade. A festa acaba com os arraiais montados nos mais típicos bairros de Lisboa, em especial em Alfama e na Madragoa, onde o centro das celebrações é a sardinha assada e a sangria.


Verdadeira Princesa do Tejo, Lisboa é a uma Cidade Maravilhosa, cheia de encantos e beleza, que conta história em cada recanto e oferece a quem a visita, cultura, museus, diversão, gastronomia e toda a agitação de uma capital europeia moderna. Enfeitiçada por uma luz deslumbrante convida a passear e usufruir o que a natureza e a criação humana foram moldando ao longo de séculos.

Venha visitar a minha cidade, Vale a pena.



Fotos e Fontes: Wikipedia; http://www.guiadacidade.pt/; http://www.cm-lisboa.pt/; http://www.portugalvirtual.pt/; http://www.visitlisboa.com/; Treakearth; Fotos Pessoais; outros

Sempre que viajamos seja física ou virtualmente (através por exemplo da leitura), alargamos os nossos horizontes, pois vamos conhecer novos locais, novos costumes, novas realidades e gentes. Aumentamos o nosso conhecimento e enriquecemos interiormente.